CADASTRE-SE AQUI para receber nossa newsletter e concorrer ao sorteio, no dia 15/09/2017, de um livro impresso do autor

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Fazer do infinito um caminho solitário

Não levar as pessoas que a gente ama para a eternidade é fazer do infinito um caminho solitário.(Juahrez Alves)

domingo, 29 de novembro de 2015

A calmaria depois da tempestade

A paixão é como um vulcão em plena atividade; e o amor, a calmaria depois da tempestade. (Juahrez Alves)

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Perdas e ganhos

Há aqueles que ganham tanto que não sabem perder, enquanto outros perdem tanto que talvez nem saibam ganhar. (Juahrez Alves)

O maior problema do sonho

O maior problema do sonho é que, geralmente, a gente se esquece da realidade. (Juahrez Alves)

terça-feira, 27 de outubro de 2015

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Guerra de vaidade

A guerra é de vaidade, mas as pessoas vivem se preparando nas academias como se fossem para uma guerra de verdade.(Juahrez Alves)

terça-feira, 6 de outubro de 2015

domingo, 4 de outubro de 2015

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Dar à luz

Dar à luz é como plantar uma árvore na esperança que ela seja frutífera. (Juahrez Alves)

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

A beleza da alma

A nossa missão é fazer a beleza da alma resplandecer, quando a beleza do corpo envelhecer.(Juahrez Alves)

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

O povo é do Estado

No sistema capitalista, o Estado não é do povo, mas o povo é do Estado. (Juahrez Alves)

Há pessoas que nascem, vivem e morrem

Há pessoas que nascem, vivem e morrem, enquanto outras morrem, renascem e vivem.(Juahrez Alves)

É preciso aprender a contar

É preciso aprender a contar para saber falar.(Juahrez Alves)

terça-feira, 18 de agosto de 2015

sábado, 15 de agosto de 2015

A vida perante a eternidade

Por mais longa que seja a nossa vida na terra, ela é muito breve perante a eternidade.(Juahrez Alves)

Refém da solidão

Não quero que um simples adeus me faça refém da solidão.(Juahrez Alves)

Esquinas do medo

Quem valoriza a vida, não anda de mãos dadas com a morte nas esquinas do medo.(Juahrez Alves)

Não existe paraíso na terra

Não existe paraíso na terra, nem no mar, nem no ar, mas existe no fogo.(Juahrez Alves)

As sementes que plantamos

Só levamos da vida as sementes que plantamos, e só trazemos para a vida os frutos que colhemos.(Juahrez Alves)

Seu cobertor

A sua serenidade é o seu cobertor. (Juahrez Alves)

quinta-feira, 30 de julho de 2015

O monte mais alto

Se por acaso você descer o penhasco de uma grande depressão, quando subir, tente escalar o monte mais alto. (Juahrez Alves)

terça-feira, 28 de julho de 2015

Egoísmo e frieza de coração

Felicidade sem caridade, solidariedade e fraternidade é puro egoísmo e frieza de coração.(Juahrez Alves)

quinta-feira, 23 de julho de 2015

O Estado é um pai ingrato

O paternalismo do Estado é a mesma de um pai ingrato que odeia seus filhos.(Juahrez Alves)

Família material e família universal

Quando, na prática do bem, extrapolamos os laços consanguíneos, deixamos de ser família material para nos tornar família universal. (Juahez Alves)

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Paulo Coelho ou Mahatma Gandhy?

Você gostaria de ser como Mahatma Gandhy ou um Paulo Coelho da vida? Como Dalai Lama ou Edir Macedo? Como Jesus ou como Herodes?
Responda para você mesmo.

O rico-pobre e o pobre-rico

O rico-pobre é cheio de bens materiais, mas o pobre-rico é repleto de bens espirituais. (Juahrez Alves)

segunda-feira, 20 de julho de 2015

sexta-feira, 17 de julho de 2015

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Professores e alunos são pesquisadores

Tanto o aluno como o professor são pesquisadores. A diferença é que o professor pesquisa para perguntar, e o aluno pesquisa para responder. (Juahrez Alves)

terça-feira, 14 de julho de 2015

A droga do poder

Infelizmente no nosso mundo, o poder das drogas é quem governa a droga do poder.(Juahrez Alves)

segunda-feira, 13 de julho de 2015

terça-feira, 30 de junho de 2015

sábado, 20 de junho de 2015

A riqueza de poucos e a pobreza de muitos

A violência é gerada pela riqueza de poucos e a pobreza de muitos.(Juahrez Alves)

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Sexo do paraíso

A fraternidade é o sexo do paraíso.(Juahrez Alves)

segunda-feira, 15 de junho de 2015

A sua consciência é a sua melhor amiga

Se você faz o bem, a sua consciência é a sua melhor amiga. Mas se pratica ou pensa no mal, ela é a sua pior inimiga. (Juahrez Alves)

domingo, 14 de junho de 2015

Sinônimo de dignidade

Às vezes o silêncio também é sinônimo de dignidade. (Juahrez Alves)


sexta-feira, 5 de junho de 2015

Nem toda realidade é real

Nem tudo que é real faz parte de uma realidade, assim como nem toda realidade é real.(Juahrez Alves)

Doutrina de tolo

Religião sem ciência e filosofia é doutrina de tolo. (Juahrez Alves)

quarta-feira, 27 de maio de 2015

A saudade com o tempo deixa de doer

A saudade com o tempo deixa de doer e vira eternidade. (Juahrez Alves)

Mente que brilha

Nem toda mente que brilha é brilhante. (Juahrez Alves)

terça-feira, 12 de maio de 2015

Dragão que me devora

A sua beleza tem um dragão que me devora. (Juahrez Alves)

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Gemidos de prazer

Deixa eu tocar em você e deslizar as minhas mãos em suas curvas, balbuciando palavras absurdas, e provocando gemidos de prazer.(Juahrez Alves)

Os governos do mundo

Os governos do mundo estão mais preocupados em proteger o capital, e não a capital. (Juahrez Alves)

domingo, 3 de maio de 2015

Nem céu, nem inferno

Nem céu, nem inferno, eu quero algo mais. (Juahrez Alves)

Palavras desconexas

Ouça coladinha no meu corpo o barulho da chuva, balbuciando palavras desconexas e se entorpecendo de paixão.(Juahrez Alves)

Estou me desmanchando de prazer

Deixa eu encostar os meus lábios no seu ouvido, sussurrar emoções e dizer que estou me desmanchando de prazer.(Juahrez Alves)

sábado, 2 de maio de 2015

Outros infinitos

Não quero que o mundo seja testemunha do nosso amor, nem as estrelas, nem outros infinitos. Eu te amo, e isso basta. (Juahrez Alves)

Entrar em você

Entrar em você é tão prazeroso que me deixa sem referência, sem fronteiras e sem medos. (Juahrez Alves)

Falando aos seus ouvidos

Falar aos seus ouvidos neste momento especial é como entrar no paraíso e voltar fortalecido para continuar te amando.(Juahrez Alves)

Aprendizes sem amanhãs

Meus lábios tocando nos seus, minha vida parece fácil. É isso que a paixão faz da gente: meros aprendizes sem amanhãs. (Juahrez Alves)

Segurança política

Ao invés de uma política de segurança, os governos estão mais preocupados é com a segurança política. (Juahrez Alves)

quinta-feira, 23 de abril de 2015

segunda-feira, 20 de abril de 2015

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Meu tempo é agora

Meu tempo é agora, porque não existe passado, nem futuro, nem o hoje, mas somente o eterno presente. (Juahrez Alves

Em espanhol: Mi tiempo es ahora, porque no hay pasado, ni futuro, ni hoy, pero sólo el eterno presente.(Juahrez Alves)

Conquista e vitória

Conquista é o nome de uma escada com muitos degraus, e vitória é o topo da escada.(Juahrez Alves)

terça-feira, 7 de abril de 2015

Eu quero o universo para a gente brincar de nós dois

Se o mundo é tão pequeno assim, eu quero o universo para a gente brincar de nós dois.(Juahrez Alves)

Indústria de gente idiota

O mundo é uma indústria de gente idiota. (Juahrez Alves)

domingo, 5 de abril de 2015

A vida é uma perda de tempo

A vida é uma total perda de tempo, e o tempo, uma total perda de vida. (Juahrez Alves)

segunda-feira, 30 de março de 2015

Os números falam mais alto

Em qualquer tipo de problematização os números falam mais alto.(Juahrez Alves)

A busca do perfeito em um mundo de incertezas

Não existe nada mais complexo do que viver buscando a perfeição em um mundo de incertezas.(Juahrez Alves)

domingo, 29 de março de 2015

Fugitivo do belo

Eu sou um fugitivo do belo com sede de revolução.(Juahrez Alves)

sábado, 28 de março de 2015

Sem equação não há adequação

Sem matemática a linguagem é pobre e desprovida de beleza, porque sem equação não há adequação.(Juahrez Alves)

sexta-feira, 27 de março de 2015

O tolo quebra pedras, o sábio quebra regras

O tolo quebra pedras, o sábio quebra regras. (Juahrez Alves)

quarta-feira, 25 de março de 2015

O esquadro e o compasso

O espaço progride sob as coordenadas do esquadro, e o tempo evolui sob o traçado do compasso, porque o compasso é senhor do esquadro.(Juahrez Alves)

quarta-feira, 18 de março de 2015

Degustador de ciência

O filósofo é um degustador de ciência. (Juahrez Alves)


Ética é medida certa ou certa medida?

A ética não deve ser pensada como medida certa, mas repensada como certa medida.(Juahrez Alves)

O mundo gira na medida certa

O mundo gira na medida certa para que a gente tenha uma certa medida.(Juahrez Alves)

A liberdade que eles querem para nós

A liberdade que eles, os governantes, querem para nós, é a prisão que nós queremos pra eles.(Juahrez Alves)

Prisão sem grades

A liberdade instituída pelos sistemas de governo é uma prisão sem grades.(Juahrez Alves)

terça-feira, 17 de março de 2015

Estado de direito

No Brasil, o Estado de Direito não é um Estado direito.(Juahrez Alves)

Cheio de atitude

Quem é cheio de atitude ultrapassa até parede de concreto.(Juahrez Alves)

Não quebre a cabeça comigo

Não quebre a cabeça comigo, eu não sou martelo. #JuahrezAlves

O maior problema da pobreza

O maior problema da pobreza não é a falta de dinheiro, mas a falta de consciência política. #JuahrezAlves


segunda-feira, 16 de março de 2015

Governo fora da lei

Para cada governo fora da lei há um povo sem lei.(Juahrez Alves)

sábado, 14 de março de 2015

Suas mãos estão sujas?

Por que não dar as mãos? Elas estão sujas?(Juahrez Alves)

O dinheiro

O dinheiro só presta até o momento em que o caixão se fecha.(Juahrez Alves)

Coragem de dizer e de ouvir

Quem tem coragem de dizer, também precisa ter coragem de ouvir. (Juahrez Alves)

A esquizofrenia do gênio

É no momento mais louco de sua esquizofrenia que o gênio cria. (Juahrez Alves)

Consciência humana e inteligência divina

Todo animal tem um pouquinho de consciência humana; e todo ser humano, um pouquinho de inteligência divina.(Juahrez Alves)

quinta-feira, 12 de março de 2015

A melhor maneira de se fazer democracia

Um carro de som na frente e uma multidão atrás é a melhor maneira de se fazer democracia. (Juahrez Alves)

quarta-feira, 11 de março de 2015

Panelaço

O panelaço é uma vasilha enorme própria para cozinhar a cabeça do Governo. (Juahrez Alves)

Dia das mães: Ser mãe

Ser mãe é ser nascente da vida, benfeitora da Criação.(Juahrez Alves)

segunda-feira, 9 de março de 2015

Estado Islâmico

O medievalismo do Estado Islâmico ainda é menos cruel do que o contemporanismo das práticas do estado capitalista.(Juahrez Alves)

A vida é soberana

A morte é inevitável, mas a vida é soberana.(Juahrez Alves)

Os céus das religiões

O céu islâmico, cristão ou de qualquer religião são céus que nós mesmos criamos para satisfazer o nosso patamar de evolução. (Juahrez Alves)

domingo, 8 de março de 2015

A mulher é o braço do mundo

A mulher deixou de ser a costela de Adão para se tornar o braço do mundo.(Juahrez Alves)

O racista é bicho humano

O racista não é ser humano, é bicho humano.(Juahrez Alves)


O sistema corrupto

Se o sistema é corrupto, o politico é sempre corruptível.(Juahrez Alves)

sábado, 7 de março de 2015

Operação Lava Jato

LAVA JATO: Nunca se esqueçam que o juiz do STF é um ministro indicado pelo Presidente da República.

Favela

A favela é um canteiro de obras. (Juahrez Alves)

Político corrupto no Brasil

Político corrupto no Brasil é como os ratos que se multiplicam em pouco tempo. (Juahrez Alves)

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Valorização do professor

Se para exercer os cargos mais importantes do país, basta o cidadão ser alfabetizado, para que eles querem professor valorizado? (Juahrez Alves)

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Resposta a Paulo Coelho


Se existe vida antes da morte, é possível que também possa existir vida antes da vida.(Juahrez Alves)


sábado, 14 de fevereiro de 2015

Medo de fantasmas

Às vezes, os fantasmas aparecem, a gente morre de medo e vira um deles.(Juahrez Alves)

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Demônio necessário

Ao contrário da religião, a ciência é um demônio necessário que nos revela Deus.(Juahrez Alves)

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Vulcão em plena atividade

A sua adolescência parece um vulcão em plena atividade.(Juahrez Alves)

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Olhos do passado

Amanhã, quando você olhar para trás, não olhe com os olhos do passado.(Juahrez Alves)

domingo, 8 de fevereiro de 2015

O ser humano não sabe se existe

É preciso ter consciência do não-ser para ser o que não é. O ser humano não sabe se existe, porque não há quem dê testemunho de sua existência.(Juahrez Alves)

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Deserto sem oásis

A solidão é como um deserto sem oásis.(Juahrez Alves)

domingo, 1 de fevereiro de 2015

A lógica da trindade conceitual da metafísica da palavra

 Linguagem, ideia e dialética 



Por Juahrez Alves


Resumo: O espírito do trabalho consiste em analisar a dialética nos termos apresentados por Hegel, que são a tese, antítese e síntese. A partir deste conceito, o autor estabelece a sua investigação remontando a anterioridade da palavra com fortíssimas ligações com a ideia e a linguagem. Não se trata de uma proposição visando reformular a teoria daquele filósofo, mas instituir uma retrospectiva até ao ponto de partida que originou este legado tão importante para a filosofia contemporânea.

Palavras-chave: Lógica, trindade, metafísica, palavra, linguagem, ideia, dialética, pretexto, contexto, texto, pensamento, reflexão, assimilação, tese, antítese, síntese.

Ao estrear aqui um conceito novo sobre linguagem, ideia e dialética, não seria possível desenvolver nenhuma proposição sem lançar mão da teoria de Hegel, que definitivamente nos deixou um legado bastante substancial graças à profundidade do seu trabalho, pois não houve ao longo da história outro filósofo que discorresse com tanta propriedade e técnica a respeita da dialética, apesar de Karl Marx ter reformulado o seu conceito e fundado o materialismo dialético.

Mas mesmo assim, Hegel um dos fundadores do idealismo alemão da primeira metade do século XIX, foi quem primeiro  apresentou um método revolucionário sobre o assunto,  capaz de colocar a sua teoria no plano da realidade real, da materialização  do conceito, levando-a ao plano da ciência com a ajuda de Marx.  Afirmava que a dialética não era apenas um método, mas consistia no sistema filosófico em si, porque não seria possível separar o método do objeto, porque o método era o objeto em movimento.

Todavia,  o que vai ser tratado neste artigo não é sobre a investigação de tal conceito que remonta aos filósofos dos tempos da Grécia antiga, como Sócrates, Zenão de Eleia, Platão, e tantos outros filósofos, passando pela idade média, moderna e chegando à contemporaneidade,  mas instigar a anterioridade de outros elementos que deram origem à teoria deste filósofo, tais como a ideia e a linguagem, tudo dentro de uma perspectiva de algo ainda maior por trás destas proposições como a lógica da  trindade conceitual da metafísica da palavra, objeto da nossa investigação.

Mas em primeiro lugar, é preciso compreender o diálogo como uma ferramenta da expressão humana que é depurada pelo debate, e que jamais teria vida no seio do pensamento filosófico sem o auxílio da linguagem, muito menos sem a ação da ideia, que é a intermediária entre a linguagem e a dialética. Diante desta afirmação, é necessário  que se compreenda que o texto é resultado de uma construção dialógica,  e que  a dialética é o momento da exposição  da ideia na forma de diálogo com contrapartida, deixando claro que não se trata de um o elemento formador da ideia, mas apenas a sua consequência,  o corpo pragmático de algo que está no campo especulativo ou  subjetivo, porque pode existir ideia sem dialética, mas não pode existir dialética sem ideia. Também, pode existir linguagem sem ideia, mas não pode existir ideia sem linguagem.  É neste ponto que começa a nossa investigação.

Como o foco neste raciocínio, à primeira vista, tendo a palavra no seu modo de expressão ainda encoberta por questões semânticas, nem sempre é fácil se debruçar sobre o seu verdadeiro significado, sem primeiro conhecer o seu valor pragmático, ou seja, a sua importância perante as ações impostas pela experiência. E de todos os filósofos, somente o Hegel soube de fato identificar as  partes inseparáveis da dialética, sem as quais, o seu método não estaria completo, e não estando completo, a palavra estaria morta, porque não haveria semantismo nem pragmática. Eis porque a mistura da filosofia com a linguística, pois sem esta última, não existiria a primeira, é o que denuncia a lógica da trindade conceitual da metafísica da palavra: o pai, o filho e o espírito como o começo de qualquer manifestação.

Segundo Nóbrega (2005), "a dialética hegeliana parte do princípio da identidade de opostos. Ela se compõe de várias unidades, das quais Hegel enumera três: tese, antítese e síntese. A tese poder ser entendida como o momento da afirmação; a antítese é o momento da negação da afirmação, gerando a tensão que origina a síntese, o último momento que corresponde à negação da negação, ou seja, é o resultado da antítese anterior, no qual suspende a oposição entre a tese e a antítese. A síntese representa uma nova realidade marcada pela aparição da Razão Absoluta, da consciência de si, ou, o que dá no mesmo, da autoconsciência. A dialética é o movimento contraditório dentro de unidades que a cada nova etapa nega e supera a etapa anterior, num fluxo contínuo de superação-renovação. Hegel sustenta a ideia de que um princípio não basta em si mesmo, pois carrega em si a contradição e a luta de opostos. Esse processo de superação-renovação é o que Hegel chama de processo de explicitação".     

                                                                                                      
Com esta conceituação, Nóbrega (2005), apresenta a obra de Hegel obedecendo ao  fundamento das proposições que estão sendo exaradas neste trabalho, o pai, o filho e o espírito, que é um critério inserido em toda a nomenclatura da existência, por isso também estar  presente na intimidade da palavra, porque, o pai é ciência, o filho é filosofia e o espírito é religião, esta última no sentido de depuração do discurso. Assim surge a palavra como expressão universal em conformidade com Almeida (1969), que em sua tradução da Bíblia, nos revela que “o verbo se fez carne” em João, 1.13, ou seja, a palavra se fez carne, e é ai que começa a surgir a linguagem como precursora da dialética,quando ainda foi preciso introduzir um interlocutor, como também nos informa Almeida (1969) com a alegoria de Adão e Eva. Foi neste advento que começou de fato a dialética, em que  a oposição, a contradição ou mesmo a contraposição existencial entre os dois sujeitos diferentes, masculino e feminino, proporcionou o surgimento da ciência na expressão figurada “árvore da ciência”, Gên 2.8.

A descoberta mais interessante na teoria de Hegel é a relação da palavra com o seu conteúdo. Quando ele falou de dialética, não se preocupou com conotações exteriores sobre o seu significado, mas antes foi de suma importância procurar saber o que de fato tinha dentro dela. E o que realmente havia dentro da dialética? A resposta é simples: tese, antítese e síntese. Seria impossível existir dialética sem estes três elementos. Ele olhou para dentro da palavra, assim como se abrisse uma caixa de chocolate, por exemplo, e encontrasse dentro dela três produtos. Ou seja, caixas são feitas para acomodar produtos, e não apenas como demonstração de beleza. É dessa maneira que o resultado da nossa investigação sobre a origem desta palavra segundo a lógica da trindade conceitual da metafísica da palavra, vai se proceder.

No entanto, conforme tudo que foi dito sobre a teoria de Hegel, o que será feito agora, é direcionar o nosso olhar, não para o que tem dentro da caixa de chocolate do filósofo, mas para outras duas caixas que a antecederam, que são: a ideia e a linguagem. No que se refere a estas duas caixas, começando de baixo para cima,  encontramos primeiro a ideia como o elo fundamental entre a dialética e a linguagem, a qual, em seu interior vamos encontrar  três princípios de construção da palavra, que são: o pensamento, a reflexão e a assimilação, pois sem esses três fundamentos não há como se estabelecer o porquê do espírito do vocábulo que o faz dono de uma dimensão própria, que é a dimensão da alma como segunda pessoa da trindade em questão.


E assim, pois, entrando no lado mais íntimo da palavra é que podemos perceber as  ferramentas de sua construção, ou seja, os seus três alicerces que tem o pensamento como se fosse  a sabedoria do arquiteto;  a reflexão, a força da mão de obra, e a assimilação, a beleza do projeto, ao passo que sem um deles, não seria possível levar a termo o objetivo final, ficando evidente que é preciso primeiro pensar para refletir, refletir para assimilar, e assimilar para que seja formada a ideia de algo, isto é, para que dialética possa ser contemplada.

A terceira e última “caixa” do processo é aqui apresentada com o nome de linguagem, que também é formada por três etapas. Esta é a mais importante. E o que vamos encontrar dentro dela? Três peças, como se fossem deliciosas barras de chocolate, cada uma com um nome diferente: pretexto, contexto e texto.


O  pretexto, é a justificativa da ideia, pois ninguém começa um diálogo,ou escreve um ensaio, sem um motivo ou uma motivação aparente. Em seguida, aparece o contexto, que é a argumentação da ideia, pois  toda ideia precisa ser defendida  por uma forte argumentação;  e por último, o texto, que é a conceituação da ideia, com características sólidas, fortalecida pela convicção de cada indivíduo no meio social.

Ora, com tudo o que já foi exposto, não é difícil perceber que a lógica da trindade conceitual da metafísica da palavra é o princípio inteligente do conceito, o ponto de partida da extrassensorialidade do conjunto que vai da linguagem à dialética, do pai ao espírito, enfim,  todo o entendimento daquilo que o bom senso pode nos revelar acerca do sistema de coisas que envolve a estruturação da pérola que leva o nome de dialética, e que, realmente, não é completo sem antes existir a ideia e a linguagem, que como já foi dito, a trindade que nos revela o pai, que é a ciência; o filho, que é a filosofia, e o espírito que a religião.

Portanto, as linhas que separam a linguagem da ideia, e a ideia da dialética são bastante tênues, ao ponto de se tornarem quase que imaginárias, porque ao se falar de pretexto, contexto e texto, é preciso levar em consideração a ideia, e para se falar em ideia, não se pode deixar de lado a dialética que é o fim do propósito, a manifestação da ciência, da filosofia e da religião, a trindade que remonta ao princípio na pessoa do pai, do filho e do espírito.


Enfim, todas estas considerações remonta a um circulo vicioso, pelo simples motivo do texto já vir pronto desde a linguagem, e após passar pela ideia e dialética ele se materializa  como texto propriamente dito, com introdução, desenvolvimento e conclusão, depurado e exposto a um novo debate, pois, como já foi dito, o dialogo ou a escrita, ambos, necessitam de conhecimentos prévios, e a manifestação da linguagem já sugere um texto pronto na esfera da ideia, e quando a dialética o materializa, ele vira texto, que é linguagem, que é ideia, que é dialética, e que é novamente texto, o que não é de causar espanto que a consciência também evolui em círculo, e a lógica da trindade conceitual da metafísica da palavra é, acima de tudo, consciência, inteligência e ciência.



Referências bibliográficas
.
NÓBREGA, Francisco Pereira. Compreender Hegel. Petrópolis: Vozes, 2005.
ALMEIDA, João Ferreira. Tradução. A Bíblia Sagrada. Brasília –DF:  Sociedade Bíblica do Brasil, 1969.

Bibliografia


HEGEL, G.W.F. -  Fenomenologia do Espírito. Petrópolis-RJ. Vozes. 1992.
MORAES, Alfredo de Oliveira - A Metafísica do Conceito. Porto Alegre RS: EDIPUCRS, 2003.

Sobre o autor:
Juahrez Alves é escritor, professor e graduado em Letras pela Universidade Cidade de São Paulo.


quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

O cansaço de um sonho realizado

Nada é mais cansativo do que um sonho realizado. (Juahrez Alves)

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

O poder da ideia

Não existe nada neste mundo mais poderoso do que a ideia, porque enquanto Deus é Senhor da criação, ela é senhora da criatura.(Juahrez Alves)

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

A consciência ainda não é o espírito

A consciência ainda não é o espírito, mas o reflexo de sua manifestação.(Juahrez Alves)

As lentes da história

Neste mundo, não existe espionagem maior do que as lentes da história.(Juahrez Alves)

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Atropelando a ética

As pessoas passam o tempo todo atropelando a ética em nome da sobrevivência. (Juahrez Alves)

sábado, 3 de janeiro de 2015

Não existe juízo para os loucos

Os loucos regem o mundo porque não se submetem a juízo algum, nem ao seu próprio.(Juahrez Alves)